FitEscola | Vegetais: Como torná-los apelativos
18253
single,single-post,postid-18253,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-6.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive
smiling little girl with mother chopping tomatoes

11 Mai Vegetais: Como torná-los apelativos

O aspeto visual dos alimentos tem um forte impacto na aceitação, na escolha e na preferência, de um alimento em detrimento de outro. Disponibilizar a maior variedade possível de cores, formas, tamanhos e texturas até encontrar a combinação eleita, parece ser uma estratégia adequada, numa perspetiva motivacional, na promoção do consumo de vegetais em crianças e adolescentes. [ler mais]

O consumo de vegetais, entre crianças e adolescentes, encontra-se aquém dos níveis recomendados, sendo urgente o desenvolvimento de medidas no sentido de contrariar esta tendência, considerando os benefícios que estes produtos alimentares trazem para a saúde. Mas será suficiente aumentar a presença de vegetais na escola, em casa e nos restantes locais onde a criança e o adolescente circulam para que se verifique o aumento do consumo destes produtos?

A disponibilidade e a acessibilidade são determinantes para o consumo de vegetais por parte das crianças e adolescentes. Enquanto a disponibilidade reflete a presença no meio envolvente, a acessibilidade reflete a forma como se encontra disponível, o aspeto visual, o local e o momento.

Vários estudos têm sugerido a importância da apresentação dos vegetais no momento da refeição: cru versus cozido, com casca versus descascado, cortado versus inteiro, tiras versus círculos, estrelas, etc. Isto evidencia a importância da acessibilidade, mais concretamente, do aspeto visual para o aumento do consumo de vegetais, uma vez que é o primeiro estímulo envolvido na decisão de provar ou não o alimento. Entre crianças e adolescentes, parece existir maior preferência por:

1- Vegetais cortados em formatos de figuras (ex. estrelas) em detrimento das tiras (formato mais comum);
2- Porções normais a pequenas (quando os vegetais são servidos inteiros, quando cortados parece não haver preferência pelo tamanho);
3- Variedade de cores (a cor influencia características sensoriais dos alimentos – perceção de frescura, identificação de odor);
4- Variedade de vegetais em simultâneo (combinação de pelo menos três vegetais diferentes).

Estimular as crianças e os adolescentes a escolherem sozinhos os vegetais que querem comer e a participarem na preparação das refeições  poderá, também,  contribuir para o objetivo.