FitEscola | Pequeno-almoço e o peso de crianças e adolescentes
18336
post-template-default,single,single-post,postid-18336,single-format-standard,do-etfw,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-6.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

11 Mai Pequeno-almoço e o peso de crianças e adolescentes

Dados provenientes de estudos observacionais levados a cabo na Europa indicam que a realização de pequeno-almoço está associada a um menor risco de excesso de peso ou obesidade e ainda a um menor Índice de Massa Corporal (IMC) em crianças e adolescentes. [ler mais]

Numa era onde a obesidade mundial está a atingir proporções epidémicas, torna-se imperativo identificar os fatores que podem estar na sua origem e progressão ao longo do tempo. Sabe-se que a componente genética desempenha um papel importante no peso corporal, mas que existem também outros fatores, nomeadamente ambientais e de natureza comportamental, que exercem uma forte influência na expressão dos genes.

A realização do pequeno-almoço, por ser a primeira refeição do dia, é vista como um comportamento-chave, quando se fala de hábitos alimentares saudáveis. Ainda assim, é bastante comum a sua ausência, sendo as seguintes, as razões apresentadas, mais frequentemente,  pelas crianças e adolescentes:
1- Falta de tempo;
2- Ausência de fome de manhã;
3- Perda/controlo de peso.

Acrescente-se, ainda,  que o pequeno-almoço é, mais frequentemente, eliminado do dia alimentar por:
1- Raparigas estudantes;
2- Crianças de estratos socioeconómicos baixos;
3- Adolescentes.

É de salientar a impossibilidade de estabelecer relações causais em estudos observacionais. Neste caso, em concreto, não fica provada a existência de uma sequência temporal entre a realização de pequeno-almoço e a diminuição do risco de excesso de peso ou obesidade ou a redução do IMC em crianças e adolescentes.