FitEscola | Comportamento sedentário: Fatores pessoais modificáveis
18178
post-template-default,single,single-post,postid-18178,single-format-standard,do-etfw,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-6.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

08 Mai Comportamento sedentário: Fatores pessoais modificáveis

Algumas características individuais, como o sexo ou o nível de prática de atividade física, podem influenciar a quantidade de tempo passado em comportamento sedentário, um fator de risco para diversas doenças. [ler mais]

Sendo o comportamento sedentário um fator de risco independente para diversas doenças e comorbilidades, o seu estudo tornou-se, recentemente, numa das áreas mais interessantes para os profissionais que têm, como objetivo, a promoção de comportamentos ativos em crianças. Compreender que variáveis afetam a quantidade de tempo passado em comportamento sedentário, em crianças e jovens, tem vindo a ser alvo de análise em diversos estudos científicos. Para além de variáveis de contexto, estudos têm investigado também que fatores pessoais, ou características individuais, podem estar na base de um maior ou menor tempo passado em comportamento sedentário. Variáveis como o sexo, o nível de atividade física e outras características individuais, têm sido consideradas e os seus impactos analisados. Estes são alguns dos aspectos resultantes da investigação nesta área e que interessa realçar:

1. O sexo feminino é, em qualquer idade, mais sedentário que o sexo masculino;
2. As raparigas são também quem apresenta maiores aumentos nos níveis de sedentarismo durante a adolescência;
3. Crianças menos ativas (menos atividade física de intensidade moderada e vigorosa) passam mais tempo em comportamento sedentário, aos fins-de-semana.